Barões
Ilustração de homem confuso com informação no computador

Por que a alfabetização midiática é tão necessária?

Em um mundo onde todos são produtores de conteúdo, desenvolver análise crítica é fundamental para a evolução de uma sociedade

9 de maio de 2019

Redação

O aumento no acesso à informação e um momento em que todos são produtores de conteúdo e, ao mesmo tempo, seus próprios editores, a alfabetização midiática é urgente. A nova geração tem uma relação muito diferente com as mídias e informação, como mostra artigo recente do Meio & Mensagem.

Muitas crianças sonham hoje em ter o seu próprio canal no YouTube e serem produtoras de conteúdo e compartilhando suas experiências. Indo na contramão das gerações anteriores acostumadas a serem consumidores passivos diante da comunicação de massa.

De acordo com o artigo, a média de exposição diária das crianças brasileiras à TV e à internet é por volta de cinco horas. No caso da rede pública de ensino, a grade de aulas é de quatro horas diárias. Ou seja, muitas crianças ficam mais tempo em contato com esses meios de comunicação do que dentro de sala de aula. Tanto os pais quanto a sociedade precisam entender o que as crianças estão absorvendo desses conteúdos.

Mas o que pode ser feito?

A alfabetização midiática já é tema ao redor do mundo. Desde 2015, o governo da França, aumentou o financiamento para cursos sobre o assunto. Cerca de 30 mil profissionais da educação recebem treinamento do poder público anualmente. Em alguns lugares, a conclusão do curso de alfabetização digital e midiática é obrigatória para terem direito de receber os benefícios sociais, como uma bolsa mensal.

Também em 2015, a Unesco lançou um programa de apoio e desenvolvimento de competências de Alfabetização Midiática e Informacional, que são cursos online e gratuitos voltados para educadores.

Nos Estados Unidos, o Media Education Lab, vinculado à Escola de Comunicação e Mídia Harrington da Universidade de Rhode Island é uma das referências. O projeto promove pesquisas e treinamentos para interessados no tema, seja educadores ou não.

No Brasil, a referência em educação midiática é a professora da PUC-SP, Pollyana Ferrari. Sua publicação mais recente é o livro “Fluido, Fluxo: reflexões sobre imagens voláteis, gênero, pós-verdade, fake news e consumo neste tempo de espirais fluidas”, onde discute o quanto a educação é essencial nessa luta contra a disseminação de notícias falsas.

As narrativas são voláteis, frágeis e sem mediação no mundo atual. As plataformas midiáticas tem poder exponencial que criam e destroem reputações em frações de segundos. É responsabilidade de toda sociedade que as crianças não sejam “educadas” apenas por essas narrativas tão atraentes.

Se você tem interesse em saber sobre como as marcas podem se estabelecer como publishers, assine nossa newsletter e receba o melhor conteúdo sobre Brand Publishing.