Barões
topic cluster

Topic clusters: as vantagens dessa estratégia de organização de conteúdo

Esse tipo de prática ajuda a marca a aprimorar os assuntos que continuarão a atrair seu público-alvo. E a reduzir o tempo gasto na pesquisa de novos conteúdos

19 de fevereiro de 2021

O conteúdo é o produto final de qualquer projeto de Brand Publishing, ou pelo menos o que fica visível para o público externo. Uma boa estratégia demanda a reunião de vários tipos de disciplinas, que não se resumem à produção de conteúdo pura e simples. E é preciso ter conhecimento sobre plataforma, posicionamento editorial, técnicas de distribuição, indexação em mecanismos de busca, coleta e tratamento de dados e integração com áreas de técnicas e de negócio da marca. Mas no que diz respeito ao conteúdo em si, uma das formas mais inteligentes de aumentar o alcance de um portal para públicos específicos é criar os chamados topic clusters. Ou seja, desenvolver uma página pilar para determinado assunto e, em seguida, interligá-lo com subpáginas.

Connor Lahey, um dos editores do blog do SEMrush, publicou recentemente um artigo no qual destrincha a estratégia de topic clusters. Segundo ele, esse tipo de prática ajuda a marca a aprimorar os assuntos que continuarão a atrair seu público-alvo. E a reduzir o tempo gasto na pesquisa de novos conteúdos.

“Quando o conteúdo é estruturado dessa maneira, com páginas de pilares e topic clusters para atrair tráfego orgânico da web, temos uma abordagem mais organizada para a criação de conteúdo”, escreveu Lahey.

O que são os topic clusters?

De acordo com o especialista do SEMrush, no centro dessa estratégia está a ligação interna dos conteúdos.

“Os topic clusters são grupos de conteúdo que giram em torno de um tópico central e usam uma página pilar para criar links ‘de’ e ‘para’. Resumindo, eles são centrados em um único tópico e oferecem várias oportunidades de links internos para manter os leitores em seu site”, descreveu Lahey.

Seu cluster de conteúdo, escreve Lahey, deve começar com uma página de pilar robusta. E, em seguida, incluir links para todas as páginas de topic clusters relacionadas. Respeitando uma divisão como essa:

  • Página pilar: será o seu hub para um assunto específico. É uma página geralmente mais ampla. E vinculada a várias páginas de topic clusters;
  • Topic clusters: são páginas mais detalhada, que respondem a uma pergunta específica sobre o assunto escolhido, com links de volta para a página pilar.

Seguir esse modelo, segundo o autor do artigo, traz benefícios como:

  • Conteúdo mais organizado: as páginas pilares permitem essa maior organização, uma vez que são construídas para aglutinar outras páginas em torno de um tópico principal;
  • SEO aprimorado: a simples vinculação das páginas de topic clusters às páginas pilares é uma prática que pode melhorar muito o SEO, dando autoridade ao portal sobre um determinado assunto.
  • Mais velocidade ne produção de conteúdo: a pesquisa feita para a criação de uma página pilar acaba abrangendo o que será abordado nos topic clusters, o que torna a produção de todo esse conteúdo mais simples e rápida;
  • Conteúdo mais abrangente: é importante evitar sobreposições ou lacunas em seu conteúdo. Apesar de você não aprofundar tanto no assunto na página pilar, você pode fazer links para os seus desdobramentos nas subpáginas, o que é bom, inclusive, para aumentar a navegação interna no seu portal.

Mas como criar esses clusters? Em seu artigo, Connor Lahey fez uma divisão por etapas:

1. Decidir o tema central

Lahey sugere a escolha de um assunto de interesse da marca, que possa ser usado na estratégia de criação de topic clusters por meio de curadoria de conteúdo.

“Seja qual for o tópico escolhido, eles devem se encaixar nos tópicos essenciais para o seu negócio. Ao fazer isso, você mostra o valor que sua empresa pode oferecer a clientes em potencial. Esta etapa é essencial, pois será usada para criar sua página pilar. A partir daí, o conteúdo pode ser dividido em subtópicos, que formam suas páginas de agrupamento de tópicos”, afirmou o especialista do SEMrush.

O artigo sugere que um bom começo para a definição do tema é fazer um brainstorming das ideias de topic clusters, sempre em torno do que se encaixa no negócio.

“Trabalhar com membros da equipe para gerar ideias para seu conteúdo pode ser uma maneira eficaz de desenvolver ideias de tópicos relevantes. A partir daí, liste todas as suas ideias à medida que elas começarem a surgir em sua cabeça”, aconselhou Lahey, que listou algumas questões que podem ser levadas em consideração no brainstorming, para garantir que as opções topic clusters reflitam os objetivos da equipe:

  • O que meu público quer saber?
  • Posso construir a partir deste tópico?
  • Posso dividir este tópico em tópicos menores?
  • Existem outras variações deste tópico que posso usar para desenvolver mais postagens?
  • Precisarei explicar um tópico importante antes de passar para o próximo?

2. Pesquisa de palavras-chave

Antes mesmo de pensar em começar a produzir conteúdo, é preciso verificar a viabilidade do tema escolhido em termos de SEO. Para isso, você precisará pesquisar palavras-chave para o seu assunto, para ter certeza de que está no caminho certo com seus tópicos.

palavras chave

“Esta é uma etapa crítica para garantir que você não está perdendo seu tempo e que irá colher os frutos da criação de conteúdo de qualidade. Além disso, você deve ver sobre o que seus concorrentes estão escrevendo e o que torna seu conteúdo um sucesso. Usando a Keyword Gap Tool, do SEMrush, você pode analisar e identificar palavras-chave que seus concorrentes não alcançam”, afirmou Lahey.

Veja alguns insights adicionais fornecidos por esta ferramenta:

  • Palavras-chave “ausentes”, nas quais você não está classificado, mas seus concorrentes estão;
  • Palavras-chave “fracas”, em que você encontrará palavras-chave com classificação inferior à de seus concorrentes;
  • Palavras-chave “fortes”, em que você tem classificações melhores do que seus concorrentes.

“Você pode usar todas essas informações juntas para identificar onde você pode encontrar alguns ganhos rápidos com grupos de tópicos versus onde as classificações podem provar ser mais uma maratona e não um sprint”, disse o especialista.

3. Desenhar a página pilar e a arquitetura dos topic clusters

Primeiramente, conforme destacou Lahey, você deve considerar sua página de pilar, já que os topic clusters serão linkados para ela. Ao delinear essa página, é importante cobrir uma ampla gama de tópicos e, ao mesmo tempo, deixar espaço para subtópicos aprofundados.

“As páginas dos topic clusters devem dar um passo além e cobrir os detalhes do assunto. Ao criar os esboços, assegure-se de desenvolver tópicos relevantes que podem ser vinculados à página pilar”, aconselhou Lahey.

Segundo o especialista do SEMrush, ao desenhar a estratégia em torno de cada cluster escolhido, a equipe de redação precisa ter esboços do que devem incluir títulos e subtítulos, uma contagem de palavras direcionadas, listas de palavras-chave (primárias, secundárias e relacionadas) e referências dos concorrentes principais.

4. Produzir os conteúdos

Para criar um conteúdo de qualidade, é preciso que você tenha certeza de que conseguirá envolver o seu público-alvo. Lembre-se:

“Seus concorrentes estão escrevendo sobre tópicos semelhantes, se não iguais, aos seus; você precisa desenvolver um conteúdo que seja atraente e se destaque. Isso significa que você terá que evitar reescrever o que outros escreveram e ter um conteúdo exclusivo e autorizado. Inevitavelmente, você terá que citar outros artigos, mas certifique-se de não copiar o trabalho deles e de desenvolver um conteúdo melhor do que o já existente”, disse Lahey.

Portanto, segundo o especialista, ao produzir conteúdo, vale a pena considerar o seguinte:

  • Escrever naturalmente: ao redigir o conteúdo dos topic clusters, você não precisar se preocupar tanto em preencher as palavras-chave, pois já estará cobrindo o assunto em profundidade;
  • Ter foco na qualidade: escrever apenas para alcançar duas mil palavras não é suficiente para você ter uma página com mais chances de brigar por posições no Google. É preciso que o conteúdo tenha qualidade;
  • Ser o melhor naquele assunto: se você está fazendo curadoria de algum conteúdo, procure escrever o melhor artigo sobre aquele assunto para o seu público. Para isso, observe os conteúdos dos seus concorrentes e veja o que eles podem estar deixando de abordar;
  • Ter clareza e concisão: um bom conteúdo em termos de SEO é aquele que se concentra em responder as perguntas em questão. Portanto, ao produzir esse tipo de texto, você não deve pensar em uma redação criativa. Precisa, sim, garantir que seu conteúdo atenda o que está sendo questionado, forma facilmente digerível, não importa quem esteja lendo seu artigo.

A SEO Writing Assistant do SEMrush é uma boa ferramenta para você produzir seu conteúdo da forma mais otimizada possível.

“Com essa ferramenta, você não apenas garante que está usando as palavras-chave certas em sua cópia, mas também o ajudará a melhorar a legibilidade do seu conteúdo, evitar plágio e garantir que você esteja usando um tom consistente em todo seu conteúdo”, comentou Lahey.

Dicas para a redação do conteúdo:

Lahey também listou, em seu artigo, alguns pontos que devem ser levados em consideração no momento em que o conteúdo for produzido. Veja quais são:

  • Evitar o excesso de palavras-chave. Seu uso deve ser orgânico e natural;
  • Use palavras-chave relacionadas entre si e que sejam o que seu público espera;
  • Adicione atributos alt às imagens dos topic clusters, para garantir que elas contribuam ainda mais para o SEO do seu conteúdo;
  • Verifique a legibilidade. Seu conteúdo precisa ser legível. Portanto, não use conceitos que seu público desconhece e evite palavras, frases e parágrafos longos.

5. Publicar conteúdo e adicionar links internos

O trabalho não termina com a publicação dos conteúdos. A partir do momento em que você coloca um novo artigo no ar, ele precisa ser conectado à página de pilar. Ou seja, você precisa revisitar os conteúdos e adicionar links internos continuamente quando se trabalha com topic clusters.

“Mesmo que o conteúdo seja bem classificado, sempre há espaço para melhorias, pois você sempre precisa se certificar de que seu conteúdo está atualizado. Atualizar o conteúdo regularmente pode mantê-lo um passo à frente dos concorrentes e aumentar a relevância do seu conteúdo em seu setor”, afirmou Lahey.

A Barões Digital Publishing – uma das pioneiras desta prática no mercado brasileiro – sempre enxergou que as marcas relevantes virariam publishers e isso tem acontecido. A Barões foi fundada em 2017 justamente para ajudar as marcas neste desafio. E tem sido muito bem sucedida até aqui, junto a marcas relevantes de diferentes segmentos.