Barões


Do Brand Publishing à cerveja: um exemplo da importância da curadoria

Conheça o case da Barões Red Ale

10 de dezembro de 2019

Redação

A curadoria é um dos pilares na estratégia de gestão de conteúdo para as marcas. E esse é um assunto que você vê muito por aqui, no Brand Publishing Brasil, o portal da Barões Digital Publishing. Fundada em janeiro de 2017, a empresa tem essa estratégia em seu DNA. E com cases de impacto no mercado, chega ao final de seu terceiro ano de operação mantendo o que já virou uma tradição: a distribuição da cerveja “curada” Barões Red Ale, muito aguardada pelos clientes e parceiros e que causa uma agradável surpresa aos seus prospects.

Upgrade no kit da Barões Red Ale

A cerveja é produzida pela Prussia Bier, uma cervejaria de São Gonçalo do Rio Abaixo (MG), uma pequena cidade localizada a cerca de 100 Km da capital Belo Horizonte. E após dois anos de sucesso dessa parceria, o kit – que nos dois primeiros anos vinha com duas garrafas – ganhou um upgrade. Agora, além das cervejas, vem com copo e caixa personalizados com a marca da Barões.

Segundo Fernando Cota, idealizador e um dos sócios-fundadores da Prussia Bier, o upgrade no kit foi possível por conta do diálogo aberto e de total parceria entre as duas empresas.

“Conversando o Bruno Costa (sócio-fundador da Barões), sugeri que fizéssemos algo por um custo igual ou um pouco superior. E aí chegamos ao kit com caixa e copo personalizados. Agora, são três elementos com a marca da Barões, sendo que o copo é uma coisa menos efêmera. A caixa, por mais bonita que seja, as pessoas acabam jogando fora. A garrafa também. Mas o copo, não. Ele vai ficar na mesa, no armário de quem receber. Essa pessoa vai tomar uma cervejinha durante a semana e vai usar o copo da Barões. E isso ajuda a consolidar a marca de uma forma mais perene. E o mais bacana de tudo foi a abertura que a gente teve com a Barões nesse processo de construção do kit. Se não tivéssemos essa abertura, a gente não teria chegado a esse projeto tão bacana”, diz Fernando.

Parceria e curadoria: como tudo começou

“Um dos nossos editores é cervejeiro caseiro. Ele faz cerveja artesanalmente, por hobby. E num papo sobre o assunto, começamos a pensar na possibilidade de dar cervejas de presente de fim de ano. Inicialmente, pensamos em fazer uma receita própria. Mas a produção caseira ficaria inviável, porque o equipamento não tinha como fazer a quantidade que precisávamos. E levar essa receita para uma fábrica elevaria demais o custo, pois a produção de um lote exigiria uma quantidade mínima de garrafas bem acima do que havíamos planejado. Então veio a ideia da curadoria”, conta Bruno Costa, que além de um dos sócios-fundadores, é Diretor de Monetização da Barões.

Editor da Barões e cervejeiro caseiro, o jornalista Raphael Crespo também tem no currículo cursos de mestre cervejeiro e sommelier de cervejas. Apesar de não atuar na profissão, conhece muitas pessoas nesse mercado. E como uma das principais funções de um sommelier é realizar curadoria de cerveja, a solução para o primeiro presente de fim de ano da Barões, lá em 2017, acabou casando perfeitamente com a filosofia da empresa. Nascia, assim, a parceria com a Prussia Bier.

“Conheço os donos da cervejaria Prussia Bier de longa data. E eu sabia que eles já tinham um trabalho de vender suas cervejas com rótulos personalizados para eventos e casamentos. Como a ideia inicial da Barões, desde sempre, era ter uma Red Ale, imediatamente a Prussia Bier me veio à cabeça, pois eles haviam lançado uma cerveja desse estilo meses antes. Daí para a curadoria da Barões Red Ale foi um passo”, conta Raphael Crespo.

Colocando a ideia em prática

Com a ideia da Barões Red Ale em mente, chegou a hora de ver toda a parte operacional da história. Afinal, era preciso que a cervejaria não apenas comprasse a ideia da parceria, mas tivesse a cerveja disponível para a produção de um rótulo personalizado. Vale lembrar que a produção de um lote de cerveja demora algumas semanas para ficar pronta, por causa de todo o processo de fermentação e maturação. No final das contas, o timming foi perfeito.

“Quando fizemos o primeiro trabalho, nós compramos a ideia que a Barões nos apresentou. De que a cerveja seria enviada para clientes-chaves, que teria uma divulgação legal. E isso foi o suficiente para a gente se engajar. Com os resultados do primeiro trabalho, quando pudemos ver as pessoas que receberam a cerveja na mão, aí sim eu compreendi o que a Barões quis nos passar. Vimos que a cerveja acabou chegando nas mãos de muitas pessoas formadoras de opinião e com poder de fogo no mercado, seja financeiro ou de influência, mesmo. Sinceramente falando, foi até difícil de mensurar na época, pois é algo que nós sequer havíamos imaginado, de estar fora do estado de Minas Gerais e nas mãos de pessoas tão importantes”, disse Fernando Cota, idealizador e um dos sócios-fundadores da Prussia Bier.

Fernando Cota (ao centro), ao lado dos irmãos Douglas e Railton Vidal, seus sócios na Prussia Bier Fernando (ao centro), com os irmãos Douglas e Railton Vidal, seus sócios na Prussia Bier

Rótulos personalizados

De acordo com Fernando, o segmento de rótulos personalizados tem crescido bastante para a empresa, uma vez que um negócio puxa outro. Hoje, além de casamentos, batizados e formaturas, a Prussia já começa a rotular algumas de suas cervejas para outras empresas.

“A Barões foi a primeira, foi quem acabou abrindo esse segmento de empresas para a gente. E hoje fazemos outras”, conta o cervejeiro. “A gente tem feito um esforço grande de divulgar esse trabalho em revistas especializadas em casamento ou negócios, por exemplo. Além de jornais, por meio de assessoria de imprensa. Para que a gente possa chegar cada vez mais em outros negócios do mesmo nível e fora da nossa área de abrangência. Então, esse é um segmento que a gente tem atuado bastante e tentado investir cada vez mais”, completa Fernando.