Barões


E-book traz dicas sobre coleta de dados primários em uma nova realidade “cokieless”

Publicação da Claravine, uma plataforma de campanhas digitais e gerenciamento de dados de conteúdo, fala sobre as melhores estratégias de captura

25 de março de 2022

Com os cookies de terceiros à beira da morte, a coleta de dados primários nunca foi tão importante para as marcas. E têm sido priorizados pelos profissionais de marketing por boas razões, como destaca a Claravine, uma plataforma norte-americana de campanhas digitais e gerenciamento de dados de conteúdo.

Em um e-book lançado recentemente, a empresa de Utah listou 22 maneiras de começar a capturar dados primários antes (e depois) do fim do prazo de validade dos cookies de terceiros. E neste artigo, vamos destacar alguns dos pontos mais importantes e mostrar como o Brand Publishing pode ajudar uma marca a executar esses tipos de ações.

“Essa solução de custo relativamente baixo ajuda as marcas a se aproximarem dos consumidores, entendendo o que eles realmente pensam, precisam e desejam em comparação com os métodos de pulverização e oração de dados de terceiros. O melhor de tudo é que a marca, por ser dona do relacionamento com o consumidor, também controla os dados, tornando-os únicos para a marca e fáceis de ativar. A aplicação de dados primários é variada e valiosa, desde personalização até recomendações para desenvolvimento de produtos”, diz a introdução do e-book.

Dicas sobre coleta de dados primários

Assinatura de newsletter

“Para marcas publishers, boletins informativos por e-mail são uma forma de manter consumidores conectados com o seu conteúdo. Em troca de um endereço de e-mail do consumidor, as marcas podem compartilhar promoções especiais, primeiros olhares, eventos privados, mensagens baseadas em valores e muito mais através de boletins informativos por e-mail”, afirma o e-book.

Um boletim informativo, diz a publicação, pode ser a porta de entrada para a coleta dados primários dos mais diversos. Além de dados transacionais, quando os consumidores compram via newsletter.

Além disso, é possível oferecer aos assinantes uma variedade de maneiras de personalizar o conteúdo em que estão interessados. Assim como informações importantes sobre os interesses desse consumidor.

“Coletar esses sinais de dados primários pode ajudar as marcas a informar promoções futuras e até mesmo o desenvolvimento de produtos. É importante monitorar as taxas de abertura e clique, bem como cancelamentos de assinaturas os dados podem revelar pistas importantes sobre a relevância do conteúdo, pontualidade e frequência das mensagens”, orienta o e-book.

Interações no portal

“Como os consumidores se comportam em suas propriedades? Marketing tags podem lhe dizer”, diz o e-book.

Com um hub de mídia proprietária, é possível fazer a coleta de dados primários e sobre como os consumidores interagem com sua marca de várias maneiras. De cliques e visualizações ao tempo gasto em cada página e a localização da pessoa.

“Esses dados primários podem dizer não apenas quem visita seu site (e onde), mas sobre quais páginas e produtos estão mais interessados. Use esses dados para personalizar a experiência e criar mais do que o seu os clientes desejam”, sugere a publicação.

Quizzes, enquetes e pesquisas

“Se as marcas realmente querem saber o que os consumidores pensam, pergunte eles”, orienta o e-book.

Quizzes, enquetes e pesquisas são formas de baixo custo para engajar os consumidores em uma série de tópicos relacionados à sua marca. E excelentes formas de se coletar um tipo de dado ainda mais precioso: o Zero Party-Data.

“Pense nessas ativações como grupos focais para marketing e produto, bem como uma maneira fácil de coletar dados primários. Em troca de responder algumas perguntas, as marcas podem recompensar os consumidores com descontos, acesso a conteúdo ou vendas exclusivas e muito mais”, diz a publicação da Claravine.

Compartilhamento de Conteúdo

“Quando os consumidores encontram algum conteúdo que amam, eles querem estar entre os primeiros a compartilhá-lo. Marcas inteligentes podem capitalizar essa psicologia do consumidor e conquistar mais conversões em potencial com funcionalidades de compartilhamento de seu conteúdo”, diz o e-book.

De acordo com a Claravine, seja um artigo, vídeo, produto ou imagem, o compartilhamento é uma maneira fácil de coletar dados primários sobre consumidores e prospects.

“Esta funcionalidade permite-lhe recolher o endereço de e-mail ou as redes sociais desse visitante. Esse consumidor faz o trabalho duro de prospecção para você em essência. E quando os destinatários desse compartilhamento visitam o seu site, você pode coletar ainda mais dados e conquistá-los com mais conteúdos”, orienta a publicação.

Se você tem interesse em saber sobre como as marcas podem se estabelecer como publishers, assine nossa newsletter e receba o melhor conteúdo sobre Brand Publishing.