Barões
funil de vendas

Funil de vendas: 5 dicas para conteúdos com foco em conversão

O fundo do funil de vendas é um importante ponto de atenção em muitos projetos de Brand Publishing, a depender do objetivo da marca com o seu hub. Veja como preparar o conteúdo para essa fase

3 de dezembro de 2021

Um projeto de mídia proprietária para uma marca tem o potencial de ser várias coisas em um único hub. Desde o aumento do awereness da empresa até uma poderosa e útil ferramenta para cada uma das etapas de um funil de vendas. Em um artigo publicado recentemente, o portal Content Marketing Institute (CMI) traz algumas dicas para a integração dos processos de idealização e criação de conteúdo em seu funil.

Afinal, se não existir um planejamento e uma estruturação, o portal da sua marca pode até aparecer nas primeiras posições dos mecanismos de busca e gerar muito tráfego, mas seu conteúdo pode nunca gerar leads ou vendas.

Justamente pensando nas estratégias que uma marca pode usar para completar essa fase final do fundo do funil, o CMI listou cinco dicas sobre como direcionar parte de seu conteúdo para um foco maior nas vendas.

1. Concilie as ideias de conteúdo com a proposta de valor da marca

O conteúdo de um projeto de Brand Publishing não deve ser totalmente focado nas vendas. Ao conquistar um território na internet, a marca pode aproveitar para exercer sua autoridade sobre determinado assunto, dentro de seu segmento de atuação. E dentro de uma estratégia de funil, aí sim levar a sua audiência em uma jornada até o fundo, onde pode haver a conversão.

E mesmo que as vendas não sejam um objetivo inicial, um projeto de Brand Publishing precisa nascer preparado para se transformar também em uma plataforma geradora de leads e até mesmo, por que não, de vendas diretas.

Para isso, a marca tem que se fazer perguntas, como:

  • O que estamos vendendo?
  • Quais problemas nossos produtos estão resolvendo?

Tendo esses questiomanentos em mente, foca mais fácil construir uma concepção de conteúdo e processos de pesquisa de palavras-chave em torno dos assuntos que interessam. Afinal de contas, nem toda palavra-chave “relevante” vale a pena ser perseguida pela sua marca se não houver formas de vinculá-la à sua proposta de valor.

“A melhor ideia de conteúdo é aquela que conecta uma palavra-chave pesquisável com o(s) produto(s) que sua marca oferece”, diz o artigo.

2. Invista em conteúdos que solucionem problemas

Quais são as perguntas que as pessoas fazem quando pesquisam nos mecanismos de busca e usam uma palavra-chave específica? Que tipo de problemas elas estariam enfrentando?

Quando o foco do conteúdo é a conversão, algo que já passa mais do meio e, principalmente, pelo fundo do funil, é justamente nisso que a sua marca deve atacar: resolver esses problemas e responder a essas perguntas.

“A estrutura de conteúdo é uma das maneiras mais eficazes de impulsionar as conversões. Divida seu conteúdo em seções lógicas. Responda a todas as perguntas relevantes para a seção. Os visitantes serão atraídos cada vez mais para o seu conteúdo, tornando-os mais dispostos a confiar em sua marca e, por fim, comprar”, orienta o artigo do CMI.

O People also Ask do Google, como destaca o CMI, é uma ótima maneira de encontrar esses problemas para resolver em seu conteúdo.

3. Foco na otimização com base na intenção de pesquisa

“A otimização da intenção de pesquisa é a chave para converter leitores em compradores”, diz o artigo.

Mas é importante ter em mente que essa intenção de pesquisa pode evoluir de acordo no quão bem é escrita e estruturada é o seu conteúdo.

“A intenção de pesquisa reflete por que os usuários provavelmente estão procurando por algo. Na maioria dos casos, as pessoas pesquisam para comprar, obter informações ou ir a algum lugar. Sua página precisa dar a eles essa oportunidade”, afirma o CMI.

4. Use a criatividade em CTAs contextuais para o funil de vendas

Após a criação e a entrega de um conteúdo que atenda aos anseios e dúvidas do visitante, um passo fundamental é criar um chamariz, correspondente ao assunto abordado, que leve a pessoa diretamente ao produto ou ao serviço da sua marca.

Para isso, vale a pena pensar em algumas ações de CTAs (Call to action), como essas listadas pelo CMI:

  • Liste os produtos de seu portfólio que as pessoas podem usar para resolver o problema exposto no conteúdo;
  • Inclua um desconto ou oferta promocional;
  • Ofereça a inscrição em uma newsletter informativa;

Você pode personalizar para identificar as páginas onde o widget deve aparecer, o que permite que você corresponda melhor o CTA do widget ao tópico da página e ao tipo de conteúdo.

“Considere um formulário no conteúdo em vez de um CTA tradicional. Os formulários de conversação, que são os mais envolventes, permitem que os visitantes respondam a uma pergunta antes que uma nova apareça. Eles são projetados para parecerem mais uma interação individual do que um preenchimento de formulário institucional”, orienta o artigo do CMI.

Ferramentas como Typeform e Outgrow são algumas que podem ser usadas para a criação desses formulários, que são ótimas oportunidades de se coletar dados primários ou mesmo os chamadas zero-party data.

5. Crie vídeos

De acordo com o artigo do CMI, entre 37% e 47% dos compradores preferem se envolver e aprender mais sobre uma marca por meio de vídeos.

O portal sugere, então, que para aproveitar ao máximo a criação de seu conteúdo na jornada do comprador pelo funil de vendas, além do texto, a marca crie mais vídeos.

“Os vídeos também tornarão seus produtos mais fáceis de encontrar no YouTube e em carrosséis no Google e em outras plataformas. A criação de vídeos ajuda a conquistar novos clientes e também a fechar mais vendas. Sempre que você estiver trabalhando em um artigo, pergunte-se se há uma oportunidade de criação de vídeo lá”, finaliza o artigo.

Se você tem interesse em saber sobre como as marcas podem se estabelecer como publishers, assine nossa newsletter e receba o melhor conteúdo sobre Brand Publishing.